NOTICIAS COOPERFIBRA

Produtores de Mato Grosso visitam unidade da Lummus e unidade de pesquisa do USDA no Texas

A visita à unidade da Lummus – líder mundial no fornecimento de máquinas para o beneficiamento do algodão – em Lubbock, nos Texas, foi o primeiro compromisso oficial da Missão Técnica da Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (Ampa). Em seguida, a comitiva liderada pelo presidente da Ampa, Gustavo Piccoli, visitou uma unidade de pesquisa e produção de algodão do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos, o Ministério da Agricultura norte-americano).

Na Lummus, o grupo foi recebido por Ross Rutherfood, gerente geral de produção, que abordou vários aspectos importantes para assegurar a máxima qualidade da pluma. Segundo o pesquisador do Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt), Jean Louis Belot, o representante da Lummus destacou a importância de que todos os elementos do processo de beneficiamento estejam bem dimensionados e também de se fazer o monitoramento do grau de umidade do algodão em caroço. ” O algodão tem que passar pelo descaroçador com um mínimo de umidade, pois se tiver com menos de 5% poderá perder qualidade e ter aumentado o índice de fibras curtas”, explica Belot.

Empresa tradicional no mercado de beneficiamento do algodão, a Lummus está construindo em sua unidade de Savannah, na Geórgia, as máquinas da micro usina que será utilizada na Escola de Beneficiamento, em construção no Centro de Treinamento e Difusão Tecnológica do Núcleo Regional Sul, inaugurado pela Ampa e pelo IMAmt em Rondonópolis. Até janeiro de 2017, o maquinário deverá ser entregue e a previsão do IMAmt é de que a usina seja inaugurada a tempo de ser utilizada em cursos e treinamentos visando à qualificação de mão de obra para a safra 2016/17.

Novas tecnologias –  O segundo compromisso da comitiva de Mato Grosso foi a unidade de pesquisa e produção de algodão do USDA, em Lubbock.  A unidade de Cotton Production e Processing Research é focada no desenvolvimento de pesquisas para as etapas de colheita, beneficiamento e deslintamento.

Entre as linhas de pesquisa apresentadas, Belot destaca o desenvolvimento de uma metodologia para fazer o algodão abrir em campo sem o uso de desfolhantes ou maturadores. Na opinião do pesquisador do IMAmt, essa linha de pesquisa pode ser útil na destruição de soqueiras, que ocorre junto com a colheita, visando à eliminação dos restos culturais do algodoeiro antes do início do período de vazio sanitário.

Os pesquisadores da unidade do USDA no Texas também apresentaram trabalhos que mostram a importância de se limpar o algodão procedente do campo antes de seu descaroçamento. “As pesquisas indicam que o processo de limpeza do algodão em caroço é menos danoso para a qualidade da fibra em relação à limpeza da fibra depois do descaroçamento”, diz Belot, que é coordenador do programa Qualidade da Fibra do Algodão de Mato Grosso.

Os visitantes mato-grossenses conheceram um novo sistema de deslintamento do caroço do algodão cuja grande vantagem é a não utilização de qualquer tipo de ácido.  Por enquanto, esse processo é feito numa unidade-piloto com capacidade para processar 50 kg de sementes/hora, mas a intenção é comercializar unidades industriais dentro de dois a três anos.  Outro ponto destacado foi a preocupação dos pesquisadores do USDA com a valorização dos subprodutos das algodoeiras.  Foi apresentado à comitiva um projeto visando à fabricação de materiais biodegradáveis utilizando resíduos das usinas de beneficiamento associado ao crescimento de um fungo.

A Missão Técnica ao Texas – estado norte-americano que se destaca não só na produção algodoeira, como também no desenvolvimento de tecnologias para o setor – prossegue até o final desta semana com visitas a duas universidades de ponta: Texas Tech University (TTU) e a Texas A&M University. Além de diretores e produtores da Ampa, integram o grupo representantes de uma nova geração que poderá assumir a condução da cotonicultura no estado num futuro próximo.  A comitiva de Mato Grosso é composta pelos diretores Sérgio Introvini, Alexandre Schenkel, Valdir Jacobovski, Cleto Webler, Alessandro Polato e Arilton Riedi; pelos produtores Jackson Schenkel, Vinícius Garbugio, Marcelo de Aguiar e Tiago Piazza Carlott; por Décio Tocantins, diretor executivo da Ampa, e pelos jovens Eduardo Schein, Gabriel Gustavo Piccoli, Igor Riedi, Adecrésio Pedro de Aguiar Neto e Sara Introvini.

Diretor executivo da Ampa, Décio Tocantins - Produtores de Mato Grosso visitam unidade da Lummus e unidade de pesquisa do USDA no Texas

Diretor executivo da Ampa, Décio Tocantins - Produtores de Mato Grosso visitam unidade da Lummus e unidade de pesquisa do USDA no Texas

Diretor executivo da Ampa, Décio Tocantins - Produtores de Mato Grosso visitam unidade da Lummus e unidade de pesquisa do USDA no Texas

Fonte: Ampa

Institucional

Quem Somos
Nossa História
Unidades Cooperfibra
Conselhos

Serviços

Guarda de Insumos
Info. de Mercado
Comercialização
Exportação
Beneficiamento
Classificação

Imprensa

Notícias
Contato
Informativos
Galeria de Fotos
Galeria de Vídeos

Endereço

Sede Administrativa
Rua T, 000
Campo Verde/MT
CEP: 78840-000
(66) 3419-0000

Cooperfibra – Todos Direitos Reservados